27/03/2013

[Promoção] O Teorema Katherine


John Green conquistou o mundo com seu aclamado "A Culpa é das Estrelas" e este ano a editora Intrínseca nos apresenta mais um livro apaixonante do autor: O Teorema Katherine. A obra tem sido muito bem elogiada por blogueiros e desejada por muitos. E sabendo que vocês gostariam de ler este livro, o Parafraseando em parceria com o Rabiscando irá sortear um exemplar deste novo sucesso de John Green para nossos leitores!
Leia a sinopse:

"Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.

Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera."

 E aí, gostou? Então você não pode deixar de participar. As regras são simples:

- É necessário ser residente no Brasil.
- A promoção se inicia no dia 27/03 e termina no dia 15/04.
- O vencedor tem até 48h para responder o e-mail recebido.

Preencha o formulário Rafflecopter:

a Rafflecopter giveaway
Boa sorte! 

RESULTADO!

Antes de tudo, eu gostaria de agradecer a participação de todos nesta promoção que fui um sucesso. Obrigado mesmo pelo empenho e dedicação que vocês tiveram nesta promo, é realmente isto que nos motiva a continuar com o blog e sempre fazer o melhor para vocês, leitores! 

Mas vamos ao resultado...

E a vencedora é...


Parabéns Bianca! Te enviaremos um e-mail e você terá 48h para respondê-lo com seus dados completos! 

 Em breve teremos mais promoções, é só ficar de olho!

21/03/2013

[Resenha] Tequila Vermelha - Rick Riordan





Tequila Vermelha
Rick Riordan
Editora Record
432 páginas

Quando Jackson "Tres" Navarre e o seu gato Robert Johnson, que adora uma enchilada, chegam à cidade de San Antonio, são recepciodos por uma quantidade enorme de problemas!

Navarre deixou a cidade e as memórias do assassinato do pai para trás, há dez anos. Agora ele está de volta, e quer encontrar respostas. Mas quanto mais Tres se aprofunda na  busca por razões que afastem suas suspeitas, mais o crime do passado volta ao presente, e aumentam as complicações que o rodeiam: envolvimento com a máfia, subornos em empreiteirasd e astutos jogos políticos.

Fica cada vez mais óbvio que Tres mexeu num vespeiro! Ele é baleado, atacado, depois atropelado por um Thunderbird azul... e, ainda por cima, sua antiga (e ainda desejada) namorada está desaparecida. Tres precisa resgatar a moça, entregar os assassinos do pai à Justiça e dar o fora antes que a máfia texana o alcance. As chances de ele continuar vivo nunca pareceram tão distantes...

Sendo um grande fã de Riordan eu não via a hora de poder ler um de seus livros adultos. Tequila Vermelha foi o primeiro de muitos que lerei, pois Rick provou que é um autor versátil e que sabe muito bem como lidar com jovens, mas também com adultos.

No primeiro volume da série Tres Nevarre, o autor está em sua zona de conforto falando sobre seu amado Texas (Ele é nascido em San Antonio, no Texas). E ele sabe muito bem do que fala, pois faz descrições bem minuciosas das localizações onde seu protagonista passa e ainda trata um pouco sobre a cultura deste lugar, que parece ser um grande velho-oeste.

Tres Navarre é um personagem que agrada à todos. Sarcástico, egocêntrico, mandão e com muita atitude, ele não mede esforços para resolver seus negócios com suas próprias mãos, mesmo que isso signifique ficar frente a frente com o perigo. Outra personagem marcante é Maia, uma antiga namorada de Tres que chegará para ajudá-lo na resolução de um caso. Maia se tornou minha personagem favorita por ter características tão fortes quanto o protagonista. Rick construiu muitos personagens que aparecerão e sairão de cena à todo momento, por isso é dificil falar sobre todos.

A trama é narrada em primeira pessoa e isso nos permite saber o que se passa na mente de Tres, portanto às vezes nos pegamos rindo alto e socializando muito bem com ele. Os capítulos curtos também ajudam na leitura e ela acaba sendo rápida.

O mistério criado pelo autor foi muito interessante e suas revelações finais foram totalmente surpreendentes e imagináveis. Muitos personagens não são o que parecem e as respostas para as perguntas feitas nos primeiros capítulos são muito mais complexas do que imaginávamos. Juntando tudo podemos ver o quanto a trama feita por Riordan foi bem contruída e desenvolvida.

Mistérios, romances, mortes e revelações surpreendentes são o que envolvem esse livro apaixonante e que nos mostra um outro lado do autor de Percy Jackson. Uma leitura cativante e capaz de deixar qualquer um com vontade de conhecer mais das aventuras de Tres. Aguardo ansioso pelos próximos livros da série.

14/03/2013

[Resenha] O Jovem Sherlock Holmes: Parasita Vermelho - Andrew Lane





O Jovem Sherlock Holmes: Parasita Vermelho
Andrew Lane
Editora Intrínseca
320 páginas

Sherlock sempre soube que adultos guardam alguns segredos. Mas ele não contava em descobrir que o assassino mais famoso do mundo, supostamente morto, está na realidade escondido no interior da Inglaterra - e que seu próprio irmão tem mais a ver com o assunto do que deixa transparecer.

Quando ninguém parece disposto a lhe contar a verdade, é necessário correr alguns riscos para descobri-la por si mesmo, e é assim que começa mais uma aventura sem igual para o jovem Sherlock Holmes.

Atravessando o oceano em direção à misteriosa América, Sherlock terá que se envolver em uma trama mortal, na qual o valor da vida é baixo, e a verdade tem um preço que poucas pessoas estão dispostas a pagar. 

Parasita Vermelho é uma excelente sequência de Nuvem da Morte, o Livro Um da série O Jovem Sherlock Holmes. Se você ainda não leu a resenha do primeiro livro, leia agora! 

Nesta continuação da série, temos todos os personagens principais que apareceram no primeiro volume. E a história acontece (desesperadamente) semanas depois dos acontecimentos que fizeram Sherlock derrotar o Barão Maupertius.

Neste livro a presença de Mycroft faz toda a diferença e podemos ver a aproximação dele com seu irmão Sherlock. Descobrimos também um pouco sobre o passado de Amyus Crowe, mentor do jovem Holmes e Mycroft, e entendemos como coisas do passado influenciaram o presente. A admiração de Sherlock por Virginia e vice-versa também aumenta e é foco de partes importantes da trama.

Toda a ação nesse volume é praticamente desempenhada por Sherlock, Virginia e Matty. E eles se dão muito bem em qualquer situação perigosa e tensa. Desta vez os adultos ficam com a parte dedutiva e racional. É legal ver a presença de Mycroft sendo um exemplo do que Sherlock será no futuro.

Outro ponto interessante é ver como o protagonista tem desenvolvido sua dedução e sua capacidade de decifrar códigos. Todos seus métodos apresentados neste volume cria uma bela ponte para o que poderemos ver nos próximos volumes e no desenvolvimento de um grande detetive.

Andrew Lane realmente fez um trabalho magnífico nesta série e consegue explicar o passado de Sherlock, colocando situações que influenciarão no futuro do personagem. Por exemplo, quando Holmes aprende sobre abelhas e box no primeiro volume da série (situações utilizadas no livro Um Estudo em Vermelho). Neste segundo volume, Sherlock começa a aprender sobre o significado de tatuagens, como ele teve seu primeiro contato com o violino (outra situação que liga ao perfil do personagem de Conan Doyle) e seu primeiro indício de paixão pela América.

E se você está se perguntando o por quê de "Parasita Vermelho", bom... a explicação é realmente surpreendente e um pouco assustadora, mas só lendo para entender.

No final do livro, há um capítulo com as Notas do Autor, indicando as fontes de pesquisas adotadas por ele para a confecção da história, de forma que os fatos e datas apresentados, fossem o mais verossímeis possível. O que deixa o leitor muito mais empolgado durante a leitura.
 
As histórias desta série são totalmente distintas e podem ser lidas sem auxílio da outra. Mas recomendo ler na sequência, pois há muitos fragmentos sobre cada personagem que quando juntos poderão fazer mais sentido.

Ao final da leitura, os fãs de Sherlock Holmes ficarão com um grande sorriso no rosto, pois tudo realmente faz sentido. E aqueles que não o conhecem com certeza procurarão mais sobre. Andrew Lane tem feito algo que tem agradado tanto os fãs quanto os que ainda estão conhecendo o famoso detetive e independente do lado que você está, Parasita Vermelho é um ótimo livro, com muita ação, suspense, mistérios e revelações que o farão ficar de boca aberta. Um livro magnífico que deixa qualquer um ansioso pela continuação (Gelo Negro, que espero comprar em breve). Totalmente recomendado.

13/03/2013

Filme #27 - Oz: Mágico e Poderoso




















Oz: Mágico e Poderoso
Duração: 127 minutos
Gênero: Aventura, Fantasia
Com: James Franco, Mila Kunis, Rachel Weisz
Direção: Sam Raimi
Ano: 2013 

Para os apaixonados em versões "mais adultas" dos contos clássicos, Oz: Mágico e Poderoso é uma ótima opção. Inspirado no clássico "O Mágico de Oz", escrito por Lyman Frank Baum no distante ano de 1900, o filme pega carona no mundo encantado já retratado no clássico O Mágico de Oz (1939), mas sua trama se passa antes do que já foi apresentado no passado.

Oscar (James Franco) trabalha em uma companhia de circo como ilusionista. Não apenas isto, ele também é um grande vigarista e conquistador, cheio de artimanhas e espertezas. Um dia, se mete numa confusão, precisa fugir e é aí que acaba indo parar no mundo de Oz. Lá, conhece lindas mulheres, muitas riquezas e uma certa "profecia" sobre a sua chegada. Mais feliz que tudo com tanta coisa boa reunida, sua alegria só dá uma freada quando descobre que precisará enfrentar perigos, o que não é bem a especialidade do covardão. Mas aí a aventura já começou e ele vai ter que se virar para sair dessa.

James Franco realmente entrou no personagem e deu a Oz um ar muito despojado, sarcástico e esperto. Mila Kunis, Rachel Weisz e Michelle Williams dão graça às suas bruxas. Todas têm características próprias e são muito bem interpretadas pelas atrizes.

O filme tem revelações surpreendentes e muitas viradas que deixarão os telespectadores boquiabertos. Mas enquanto somos surpreendidos com algumas coisas, outras nos fazem ter o conhecimento prévio do que está por vir. Luta do bem contra o mau, protagonista cabeça dura, frases bonitas que tocam o coração do protagonista e o fazem mudar de ideia, de repente ele se sente o poderoso e começa a tomar liderança sobre a batalha que está por vir... Quem nunca viu situações como esta em outros filmes? Isto pode decepcionar um pouco, mas de maneira alguma impede a diversão do longa.

Outra decepção é o 3D. São duas ou três cenas que utilizam a técnica, e o filme todo acaba sendo um grande 2D. Até mesmo quando não somos atingidos por lanças, os personagens em um diálogo qualquer parece não sairem da tela. A única salvação é a abertura em preto e branco com um 3D incrível e desenhos que causam ilusão de ótica, principalmente apresentando profundidade, é como estar andando em um corredor longo. Totalmente incrível! 

O figurino, o cenário e a trilha-sonora estão maravilhosos e capazes de encher os olhos de qualquer um. É tudo tão belo e magnífico que é como se estivessemos imersos no mundo de Oz. Ah, também há uma homenagem nas entrelinhas para ao inventor Thomas Alva Edison e ao cinema.


A junção de vários diretores e produtores responsáveis por grandes sucessos de bilheteria resulta em um filme bom. Ganha destaque pelas qualidades técnicas, mas o mesmo não pode ser dito do roteiro, que tem humor, boas sequências, mas carece de um acontecimento que o faça diferente de outros filmes do gênero. Cheinho de criaturas interessantes, como um esperto macaco alado e uma menina de porcelana danadinha, não faltarão outros seres de nomes e aparências igualmente incomuns e até mesmo que farão referências a ao clássico de 1939. Assim, Oz é colorido e grandioso, mas quem o define como bom ou ruim, é você, meu cara telespectador. 

12/03/2013

Série #13 - Once Upon A Time

















Se você é apaixonado por fantasias, principalmente aquelas que te remetem a infância, mas não são nada ingênuas, pois na verdade são repletas de ação, emoção, batalhas e finais surpreendentes, você precisa conhecer Once Upon A Time.

Há muito tempo eu queria assistir a série, já que ela era tão bem falada e resenhada. Em um domingo tomei coragem e assisti ao primeiro episódio. Foi amor à primeira vista. O enredo é tão magnífico, tão bem produzido, tão recheado de fantasia e perguntas que nos cercam que é impossível assistir apenas um episódio, e logo você estará assistindo um atrás do outro. Se tornando um fã como eu. 

A série se passa na cidade fictícia litorânea de Storybrooke, Maine, em que os moradores são, na verdade, personagens de contos de fadas que foram transportados para o "mundo real" através de uma maldição poderosa. A única esperança reside em Emma Swan, que foi transportada do mundo de conto de fadas antes que ela pudesse ser amaldiçoada. Como tal, ela é a única pessoa que pode quebrar a maldição e restaurar as memórias dos personagens perdidos, auxiliada por seu filho, Henry, que tem um livro de contos de fadas que detém a chave para acabar com a maldição.

Cada episódio centra-se em uma história por trás de um personagem. Um segmento de detalhes da sua vida no mundo de conto de fadas que, quando revelados, acrescenta uma peça ao quebra-cabeça sobre os personagens e sua conexão com os eventos que precederam a maldição e suas conseqüências. O outro (segmento), no dia de hoje, segue um padrão semelhante, com um resultado diferente, mas também oferece uma visão semelhante.

O que me agrada bastante na série é o fato dela ter maravilhosos efeitos especiais e muitas criaturas mágicas: bruxas, duendes, ogros, fadas, princípes e princesas. Personagens que fizeram parte de nossa infância estão presentes nos episódios. E o mais interessante é ver que nem tudo tem um final feliz e nem tudo é como nós imaginávamos ao ler os livros infantis, existe muita coisa por trás dos contos de fadas e descobrir os dramas dos personagens é totalmente surpreendente para nós.

Os personagens são todos encantadores. O destaque vai para Regina/Rainha Má (Lana Parrilla) que é totalmente elegante e poderosa. Ela sabe como ser malvada e ao mesmo tempo sarcástica. Eu não sei porque, mas ela tem um carisma capaz de agradar à todos. Mas infelizmente ela não consegue nos fazer torcer para sua vilã, pois Emma (Jennifer Morrison) se mostra uma mulher tão destemida e guerreira que nos faz crer na famosa frase: "O bem sempre vence o mau". Henry (Jared S. Gilmore) nos encanta com sua inteligência e esperteza, é um garoto capaz de deixar qualquer um boquiaberto. E temos Mary/Branca de Neve (Ginnifer Goodwin) que é aquela típica professora que se veste com roupas simples e tem um bom coração.

Ainda estou no começo da primeira temporada e posso dizer que está sendo sensacional, mal posso esperar para assistir os próximos episódios. Once Upon A Time é diferente de todas as séries que você já assistiu e é capaz de te agradar desde o primeiro episódio. Muita nostalgia, magia, fantasia, situações surpreendentes e personagens com características marcantes é o que promete a série. Totalmente recomendada!

09/03/2013

[Resenha] Selvagens - Don Winslow





Selvagens
Don Winslow
Editora Intrínseca
288 páginas

Ambientalista e filantropo nas horas vagas, Ben comanda um negócio de venda de maconha em Laguna Beach. Ao lado de seu parceiro, o ex-mercenário Chon, ele fatura lucros consideráveis e mantém uma clientela fiel. No passado, quando seu território foi invadido, Chon tratou de eliminar a ameaça. Agora, porém, os dois amigos parecem estar diante de uma força da qual não podem dar conta: o Cartel de Baja, do México, que quer tomar a região, e avisa que não aceitará uma negativa como resposta.

Quando os rapazes se recusam a ceder, o cartel reforça a advertência sequestrando Ophelia, companheira e confidente dos dois. O sequestro dela deflagra uma gama alucinante de negociações habilidosas e reviravoltas inacreditáveis que deixarão os leitores ansiosos para descobrir o custo da liberdade e o preço de um grande barato.

Se você procura um livro politicamente correto e moralmente ético, não escolha este. Pois Selvagens não é uma história para qualquer pessoa; é polêmico, choca, vai contra os padrões, é agressivo, sufocante e segue o ironicamente convencional - sexo, drogas e rock 'n' roll.

De início o livro pode parecer estranho, pois a forma de escrita do autor não é linear. Tudo é misturado e um pouco confuso, mas quando se pega o jeito a leitura flui muito bem e é possível se aventurar nas páginas da história e terminar o livro em dois dias.

Ben e Chon trabalham vendendo uma maconha personalizada e por isso podemos tirar a conclusão que são pessoas horríveis e de mau-caráter, mas na verdade eles são sensíveis, conscientes e boas pessoas. Ophelia se tornou minha personagem favorita. Engraçada, apaixonada, cheia de espiríto jovem e bastante inteligente é o que ela é. E outra personagem que me conquistou foi Elena. A grande rainha da máfia é bastante persuasiva e poderosa, características que eu gosto em um personagem.

Don Winslow sabe muito bem como prender o leitor. Durante a leitura nos deparamos com muita ação, mortes, esquemas de roubos, paixões e suspenses, tudo isto envolto em uma narrativa repleta de palavrões e expressões pesadas. É preciso ler o livro com a mente bem aberta.

Além de criar uma história totalmente de tirar o fôlego, o autor nos presenteia com muito conhecimento sobre o que é o mundo da máfia e como as coisas são resolvidas. Um conhecimento interessante para aqueles que gostam de aprimorar sua cultura.

Por fim, Selvagens é um livro difícil no começo, mas toma um ritmo contagiante do meio para o final. Os personagens têm características marcantes e o fôlego acaba se perdendo no meio de tanta ação. Livro totalmente recomendado.

08/03/2013

[Ser Bookaholic #4] Mulheres criativas!





Hoje o "Ser Bookaholic" é especial! No dia 8 de Março é comemorado o dia internacional da mulher e o Parafraseando não poderia deixar de homenagear esta que é sempre guerreira, conselheira, sábia, carismática, carinhosa e muitas vezes... criativa! Sim, foram três mulheres que tiveram uma ideia e a partir daí deram origem as três sagas mais famosas da literatura e do cinema. Conheça cada uma delas:

J. K. Rowling
A mente brilhante de Joanne a faz hoje uma das maiores escritoras da atualidade e dona de uma quantia invejável de dinheiro.
Ela é a autora da saga mais famosa da década: Harry Potter! Os 7 livros do bruxo rendeu a ela cerca de 1 bilhão de dólares e foram adaptados para 8 filmes ao cinema. Mas até serem publicados, Rowling passou por muitas recusas até o original ser aceito pela Bloomsbury (mal sabia a editora que este seria o maior sucesso literário durante os próximos anos).
O sucesso da saga é tão grande que rendeu a J. K. Rowling o posto de uma das mulheres mais poderosas do mundo, segundo a revista Forbes.
Além de autora, ela é esposa e mãe! Existe mulher mais guerreira que ela?

Stephenie Meyer
Ela também é casada e tem três filhos e consegue consciliar tudo isto com a sua carreira de escritora! Stephenie é autora da saga Crepúsculo, que se tornou febre em 2008. Os 4 livros renderam 5 adaptações ao cinema e um salário de US$ 40 milhões por ano a ela.
A ideia de Meyer veio de um sonho onde uma garota se apaixonava por um vampiro, mas este amor era quase impossível. Com essa ideia foi que ela se focou durante um bom tempo escrevendo o primeiro livro e suas continuações.
Ela também foi escalada pela Forbes como uma das mulheres mais poderosas do mundo. Não é para menos, né?
Mesmo com muitas críticas sobre sua história e sua escrita, Stephenie mostra sempre que é sim uma mulher incrível!

Suzanne Collins
Suzanne é casada e tem dois filhos. Sua principal característica é a humildade e a delicadeza. Ela já havia trabalhado com televisão e livros infantis, mas se tornou conhecida a partir de sua trilogia de sucesso: Jogos Vorazes!
A vida de Collins é bem privada e ela não gosta de se esbanjar com a fama que tem, mas sabemos que ela é uma mulher poderosa no mundo da literatura. Sua trilogia vendeu mais de 26 milhões de cópias e desbancou o posto de Harry Potter em vendas na Amazon. O primeiro livro já foi adaptado para o cinema e o segundo estreia este ano.
Sua inspiração para a trilogia veio da junção entre guerra e reality-show.
Suzanne é inspiradora e um exemplo de mulher.

Essas três mulheres provam o poder que a mulher tem hoje em dia. Feliz dia das mulheres para todas as mulheres que estão lendo este post!

07/03/2013

Lançamentos - Março/2013





Confiram as novidades que nos aguardam para Março de 2013!

clique nas imagens para mais informações

Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos Lançamentos

06/03/2013

Filme #26 - Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet


















Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet
Duração: 116 minutos
Gênero: Musical, Drama, Suspense
Com: Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Alan Rickman
Direção: Tim Burton
Ano: 2008

Estou totalmente obcecado com este filme e com estas músicas. Em meus dezoitos anos de vida nunca assisti algo tão maravilhoso como esta produção e se alguma vez tive dúvida em como responder a pergunta "qual seu filme favorito?", hoje já tenho essa resposta.

Antes de tudo, gostaria de contar uma curiosidade para vocês: Algumas pessoas dizem que Todd é um personagem de ficção, mas para o autor Peter Haining ele realmente existiu e cometeu tais crimes em meados de 1800. Outros pesquisadores tentaram verificar as citações de Haining e não conseguiram comprovar sua tese. Mas vale dizer que uma história similar aconteceu na Rue de la Harpe, em Paris, que fatalmente pode ter influenciado a lenda. 

A história foi adaptada várias vezes para o teatro e para o cinema, inclusive até para um musical da Broadway. Tim Burton o assistira variás vezes, e mesmo não gostando do gênero musical, gostava de ver como tudo parecia ter um potencial cinematográfico.

O projeto de levar o musical à telona passou pela mão de dois diretores até chegar à Burton. A tarefa foi difícil. A versão original do musical tinha três horas de duração e coube a Tim transformá-lo em um filme de duas horas. Algumas cenas foram retiradas e algumas músicas foram encurtadas.

Na trama, Benjamin Barker (Johnny Depp) passou 15 anos afastado de Londres, após ser obrigado a deixar sua esposa e sua filha. Ele retorna à cidade ávido por vingança, agora usando a alcunha de Sweeney Todd. Logo ele decide ir à sua antiga barbearia, agora transformada em uma loja de fachada para vender as tortas feitas pela sra. Lovett (Helena Bonham Carter). Com o apoio dela Todd volta a trabalhar como barbeiro, numa sala acima da loja. Porém o grande objetivo de Todd é se vingar do juiz Turpin (Alan Rickman), que o enviou para a Austrália sob falsas acusações para que pudesse roubar sua mulher Lucy (Laura Michelle Kelly) e sua filha.

A atuação de cada ator é impecável e digna de um Oscar (não é por acaso que o filme rendeu algumas premiações). Johnny, como sempre, sabe ser um personagem enigmático, assustador e com muita expressão no olhar. Helena Bonham Carter é macabra, mas sem deixar de ser amável. E Alan Rickman dá um show de atuação, assim como estamos acostumados à vê-lo em Harry Potter. 

Os atores não são cantores profissionais, mas demonstraram total dedicação e competência na parte musical, até porque as músicas são fáceis e gostosas de se ouvir. Não há dificuldade para cantá-las. E o fato de eles terem consciliado a música com a atuação mostrou total competência da parte do elenco. As músicas interpretadas pelos atores são maravilhosas (isso explica minha obsessão pela trilha-sonora). São todas bem construídas, sombrias, divertidas e cheias de expressão. 

O cenário e o visual do filme faz jus ao já conhecido estilo de Tim Burton. É possível perceber que o longa sempre tem cenários sombrios e escuros, com tons de azul, como se sempre fosse uma noite (até mesmo durante o dia). O estilo do filme mistura o gótico e o sombrio, como se estivéssemos em um pesadelo sem fim. Mas também há cenas amáveis e divertidas, porém envoltas no sombrio.

Outra característica de Burton no filme é a personalidade que ele dá a cada personagem. Ninguém é o mocinho e ninguém é o vilão, todos tem um pouco de cada um dentro de si. O que Tim quer demonstrar com isto é que somos bons ou maus de acordo com a situação que nos cerca.

Tim Burton criou um filme maravilhoso e provou que o gênero musical não precisa ser apenas para divertimento, mas também pode assustar, surpreender e contar uma história muito profunda em si. O filme não é tão assustador quanto se pensa, é apenas uma história obscura e com muito sangue. E uma trama muito bem construída, repleta de informações que quando são ligadas entre si deixa o telespectador sem reação. Com personagens com suas características muito bem trabalhadas, cenários incríveis, músicas maravilhosas e tudo o mais que seja perfeito, Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet é sem dúvida o meu filme favorito de todos os tempos.

Assista ao Trailer: 

03/03/2013

[Resenha] Desejos dos Mortos - Kimberly Derting





Desejos dos Mortos (The Body Finder #2)
Kimberly Derting
Editora Intrínseca
288 páginas

Violet Ambrose tem o dom secreto de perceber os mortos. Não todos: só as vítimas de assassinato. Ela identifica sinais, ecos que a conduzem até os corpos desaparecidos e, consequentemente, seus algozes. Poucos sabem dessa sua habilidade, mas a descoberta de um cadáver é algo que chama a atenção de muita gente - inclusive do FBI. 

Enquanto tenta manter seu segredo, Violet, involuntariamente, torna-se objeto de uma perigosa obsessão. Seu primeiro impulso, como sempre, seria pedir ajuda ao melhor amigo, Jay - porém, agora que os dois são um casal, as coisas não funcionam mais assim. Ele passa cada vez mais tempo com um novo colega, Mike, e Violet tem oportunidade de sobra para pensar e repensar sobre o que, afinal, está fazendo seu namoro dar errado. É então que ela se dedica a investigar a vida do recém-chegado Mike, e diante da trágica história familiar do garoto Violet se depara com uma verdade capaz de colocar todos eles em extremo perigo. 

Desejos dos Mortos é o segundo volume da série The Body Finder, iniciada com Ecos da Morte. A série é publicada aqui no Brasil pela editora Intrínseca. O enredo do livro envolve bastante romance, mistério e suspense. Bom, pelo menos desta vez estes três elementos estiveram firmemente envolvidos na história e enquanto eu fiquei entre amar e odiar Ecos da Morte, este segundo volume me fez tornar um grande fã da série.

Violet melhorou bastante como protagonista. Apesar de continuar sendo teimosa e insensata, ela está menos enjoada, irritante e dramática. Jay continua sendo o cara legal e divertido que todos gostariam de ser amigo. E desta vez temos dois personagens novos: Mike e Megan. Ambos são importantes, mas não aparecem a todo momento. Não sabemos muito de Mike a não ser que ele é normal. E Megan mal ganha falas durante a história, apenas sabemos que é uma garota solitária.

Também temos dois personagens que aparecem na história para fazer o leitor ficar em desespero. Sara e Rafe, que trabalham para o FBI (ou pelo menos trabalhavam). Durante todo o livro ficaremos duvidosos sobre a personalidade dos dois, mas logo teremos nossa conclusão e perceberemos como a presença deles fará diferença nos livros futuros. Aliás, posso dizer que esses novos personagens me agradaram muito e foram o motivo de eu preferir muito mais o segundo do que o primeiro volume.

A narrativa segue o mesmo modelo do livro anterior, alternando entre o dia-a-dia de Violet e a visão do psicopata. Essa forma de narrativa é bem interessante, pois podemos ver o que se passa na mente de ambos e a leitura fica muito mais empolgante.

Kimberly Derting realmente brinca com o leitor. Durante a leitura eu fiquei preocupado com o final que ela daria, afinal, ela estava dando muito na cara como tudo acabaria. Mas ela me conquistou (e deu certeza que eu amarei esta série) no momento em que ela dá uma reviravolta surpreendente aos fatos e tudo se conecta perfeitamente. Inclusive, ela cria uma ponte interessante e nos dá expectativas para o que podemos esperar para o próximo volume.

Desejos dos Mortos é um livro que prende o leitor e o instiga. Tem uma narrativa leve e faz com que a leitura seja rápida e prazerosa. Tem mistério, suspense e revelações surpreendentes. E por ser melhor que o primeiro, me fez não se arrepender de ter comprado essa série, e acrescentar uma empolgação pela sua continuação. Sinceramente? Estou apaixonado por The Body Finder. Tenham certeza que os dois perimeiros livros estão recomendados e nos resta aguardar pela continuação!

01/03/2013

Perfil de Autor #7 - George R. R. Martin





George R.R. Martin (1948) é autor e roteirista de filmes de ficção científica. É conhecido pela série Games of Thrones-Guerra dos Tronos, adaptada do Best seller de romances épicos A song of the Ice and Fire (As Crônicas de Gelo e Fogo).

George Raymond Richard Martin nasceu em New Jersey. Filho de estivador, desde cedo, gostava de quadrinhos e de escrever contos de ficção e horror. Na infância, costumava vender suas estórias para outras crianças da vizinhança.

Nos anos 70, fez um mestrado em jornalismo no Northwersten University, em Illinois. Depois de várias tentativas, venceu dois prêmios de contos, os Hugo Award e Nebula Award.

Nos anos 80, deixou a carreira de autor em segundo plano e começou a trabalhar para a televisão escrevendo roteiros. Também atuou em outras profissões como editor de livros. Como roteirista de TV, escreveu para a série The New Twilight Zone e Beauty and the Beast. Ainda teve um romance adaptado para o filme, Nightflyers, em 1987.

Desiludido com o trabalho para a televisão, dedicou-se à literatura e escreveu a série de fantasias épicas medievais A Song of Ice and Fire, inspirado na guerra das duas rosas. O que foi feito sem maiores pretensões, acabou virando livro em 1996.

Em novembro de 2005, A Feast for Crows, o quarto volume da série, se tornou o livro mais vendido da lista do The New York Times, alcançando a mesma posição na lista do The Wall Street Journal.

Em 2007, o canal de televisão HBO comprou os direitos de transmissão da série inteira de Martin. Em 2011, estreou a primeira temporada de Game of Thrones, o primeiro da série que alcançou grande sucesso.

George R.R. Martin é casado com Parris e continua fascinado por assuntos medievais, inspiração de boa parte do que escreveu.

Livros mais conhecidos:

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team