18/11/2013

Filme #31 - Jogos Vorazes: Em Chamas















Jogos Vorazes: Em Chamas
Duração: 146 minutos
Gênero: Ação, Drama, Ficção-científica
Com: Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hensworth
Direção: Francis Lawrence

Quando Jogos Vorazes chegou ao cinema houve um rebuliço grande. Muitos acreditavam que o filme não alcançaria o sucesso desejado de outras franquias, tais como Harry Potter, e outros assistiram à produção por curiosidade, por esta não tratar do tema fantasia e ser bem diferente do que o cinema nos apresenta. Foi aí que a história de Katniss conquistou o público e fez um sucesso inexplicável. 

Por mais que a bilheteria do primeiro filme foi gorda, é a sua continuação, Em Chamas, que anima o público e faz ele botar fé no potencial tanto nos livros como nas adaptações. A continuação, diferente do primeiro, dá ponta para um próximo filme e isto está bem visível no olhar feroz de Katniss, que nos deixa apreensivos e ansiosos para A Esperança - Parte 

Neste filme, Katniss e Peeta estão salvos da arena, porém a garota se tornou o símbolo da revolução. Sem querer problemas, o presidente Snow decide usar o romance dos dois como forma de distração. Não satisfeito com o resultado, ele decide criar uma nova versão para os Jogos Vorazes, onde os vencedores estarão de volta à arena. Sendo assim, o casal terá que enfrentar o pesadelo mais uma vez, mas dessa vez terão que lidar com verdadeiros assassinos.

Enquanto o primeiro longa tinha um foco mais na ação e no fato de 24 pessoas em uma arena se matando, o segundo longa investe mais na parte política e no sistema opressor de Panem, fazendo deste muito mais do que um simples filme de ação e aventura. 

A troca de diretores foi favorável. Francis assumiu bem o trabalho e conseguiu dar um ar muito mais amplo e tenso para este filme. Até mesmo quando o assunto não é a arena, ele consegue deixar o clima tenso e repleto de mistérios sobre o que há por vir. O diretor também se sai bem ao unir a violência com algo de contemplação. Há vários locais que nos enchem os olhos e ficamos vidrados com cenas bem feitas e estruturadas. 

A câmera que tremia antes não treme mais, as cores secas agora são bem mais nítidas, seja no cinza dos distritos ou no colorido da capital e da arena, os efeitos especiais estão de tirar o fôlego, as risadas são garantidas e a tensão realmente mexe com o telespectador. Em Chamas mostrou uma evolução sem medidas e não é para menos, já que o orçamento do primeiro para o segundo filme dobrou.

Por mais que tenha um conteúdo voltado para o público jovem, a trama não é "boba" e nem foca muito em seu triângulo amoroso, mas se mostra bastante adulta e inteligente ao apostar nas questões políticas de um país e de toda opressão que ele apresenta. A obra também fala sobre a personalidade e a manipulação que ocorre em reality shows.

Sabemos que os livros são narrados em primeira pessoa pela perspectiva de Katniss, mas Francis conseguiu criar com maestria vários núcleos para que a dinâmica na tela fosse bem mais redonda e fizesse uma maior explicação. Os núcleos são tão bem construídos e tão interessantes que mantém o telespectador interessado durante o filme todo.

A trilha sonora ficou por conta de James Newton Howard, e por mais que grande parte do score utilizado no primeiro filme tenha sido repetido, muitas canções novas e de arrepiar foram produzidas para as cenas na arena. A música no filme foi muito bem utilizada e conduzida, causando um impacto tanto quanto as cenas. De quebra, ainda tem a maravilhosa Atlas do Coldplay nos créditos finais.

Grande parte do sucesso e da boa impressão que o longa passa é graças as incríveis atuações. Além dos nomes já conhecidos do primeiro, temos a adição de Jena Malone e Sam Claflin nos papeis de Johanna e Finnick, respectivamente. Jena com certeza roubou a cena e fará muitos fãs ficarem mais apaixonados por ela do que por Katniss (desculpa, mas sim). Ela é engraçada e não tem medo de falar o que pensa, inclusive uma das melhores cenas é quando ela xinga em rede nacional. Já, Claflin soube fazer o papel de um Finnick conquistador e companheiro.

Jennifer Lawrence, a queridinha de Hollywood, mostra que mesmo ganhando um Oscar não para de aperfeiçoar sua atuação e se sai melhor do que antes no papel da heroína Katniss. Sua atuação é tão perfeita que até mesmo quem não entende de técnicas de cinema consegue perceber. E prova que nesta franquia, a mulher não é indefesa.

No fim, Em Chamas choca o telespectador e faz com que ele tenha o sentimento de que este foi o melhor filme do ano, o que não deixa de ser verdade. O filme cumpre seus objetivos e agrada tanto aos fãs como aqueles que não leram os livros. A trama sabe criar muitas perguntas e deixar todos na ansiedade para o capítulo final, que promete ser tão esperado como este. Com muita emoção e tensão, este filme fez jus à toda a sua expectativa e espera, e promete ser o que o mundo inteiro comentará durante muitas semanas!

Assista ao trailer abaixo:

Um comentário:

Lucas Carvalho disse...

De todas as resenhas que li até agora a sua foi a MAIS COMPLETA e mais Técnica. Você analisou muito bem todos os pontos, e quase não sobra o que acrescentar nesse singelo comentário hahaha. Só gostaria de reafirmar que sim, esse filme não só recebeu muito investimento quanto souberam produzir algo simplesmente sensacional. Um filme com alto nível crítico explícito e boas cenas de atuação de Lawrence. Chorei, gritei, explodi, uma mistura de tantos sentimentos que não consegui explicar. Não sei se foi por ser o melhor livro da trilogia, ou simplesmente porque ele é ASSUSTADORAMENTE fiel a obra, mas sai da sala de cinema em choque e você sabe bem disso.

Ainda sonho todas as noites com a Arena sendo destruída hahaha.

Melhor filme, e só que esperar que a sequência seja tão boa quanto.

Excelente resenha!!!

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team