30/12/2013

Filme #32 - O Hobbit: A Desolação de Smaug





















O Hobbit: A Desolação de Smaug
Duração: 161 minutos
Gênero: Fantasia, Ação
Com: Martin Freeman, Ian McKeller, Richard Armitage
Direção: Peter Jackson

Peter Jackson já dirigiu tantos filmes ambientados na Terra Média que nós acreditamos que ele nasceu para isto. Não é atoa que suas produções são tão elogiadas e adoradas pelos fãs, afinal, ele também é um. Seu amor pelo universo de Tolkien é tão grande que ele até faz uma aparição nessa continuação de O Hobbit, mesmo que seja rápida e quase não dê para perceber, ele aparece nos primeiros segundos do filme, saindo de um bar. 

A decisão de dividir O Hobbit (um livro de mais ou menos 300 páginas) em uma trilogia com uma duração de quase 3 horas cada filme parecia loucura, mas com esta continuação podemos ver que a história de Jackson se mistura com a de Tolkien e se torna algo muito maior do que imaginávamos. Sem falar nas grandes sacadas que farão fãs de O Senhor dos Anéis quererem pular da cadeira. 

As mais de duas horas de filme não cansam, pelo contrário, te fazem ficar mais empolgado ainda. Afinal, não é pura enrolação, é uma história complexa dividida em núcleos e com muitos detalhes e personagens que futuramente precisarão estar conectados para que a trama tenha um nexo. Falando em núcleos, Peter Jackson foi genial ao contar histórias paralelas que de alguma forma trazem sentido para tudo. Se por um lado temos os anões tentando chegar à montanha, temos Kili enfrentando seus próprios problemas e um grande amor e Gandalf parece enfrentar algo muito maior do que ele mesmo imaginava.

Se em Uma Aventura Inesperada os vilões eram os orcs, nessa continuação o grande vilão é Smaug, o dragão do título, e ele é ATERRORIZANTE! Talvez seja o maior dragão que já vi na história do cinema e com a dublagem de Benedict Cumberbatch sua voz e fúria é perceptivelmente cruel. 

A interação de Bilbo e Smaug é um dos pontos altos do filme, assim como na primeira parte foi a de Bilbo com Gollum. Repleto de diálogos interessantes e momentos tensos que provam que a boa interação de Bennedict e Martin vêm desde Sherlock.

Enquanto em O Senhor dos Anéis os filmes possuíam uma espécie de um final aceitável, o final da dos filmes da trilogia O Hobbit te obriga a assistir a continuação. Neste final, por exemplo, quando tudo parecia bem a situação muda e nos deixa completamente tensos e com o coração na mão e adivinhem? O filme acaba! Sério, esperar mais um ano para ver a conclusão é tortura. E acreditem, esse final é mais desesperador do que da primeira parte. 

As cenas de comédia deram lugar as cenas mais tensas e o clima é bem pesado. Eu fiquei tão tenso vendo o filme que fiquei com dó do pequeno menino de 6 anos que estava com o pai na mesma sessão que eu. Acreditem, não é tão simples e feliz como o primeiro filme.

A trilha sonora é sensacional! Muito bem conduzida por Howard Shore e ainda possui uma bela canção de Ed Sheeran nos créditos.

O Hobbit: A Desolação de Smaug detona com aqueles que criticaram o primeiro filme e conquista mais ainda os fãs do primeiro. As referências à Senhor dos Anéis é grande e empolga qualquer um. As sequências de ação, os diálogos e as situações são maduras e de tirar o fôlego. A ansiedade para a conclusão da trilogia, Lá e de Volta Outra Vez, é grande, principalmente depois dos minutos finais que presenciamos na telona. Um dos melhores de 2013!

Assista ao trailer: 

Nenhum comentário:

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team